quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Depoimento: Vitiligo e a Terapia Floral

Hoje eu gostaria de contar a minha história.
Eu tenho 62 anos, sou viúva e já há muitos anos que tenho vitiligo.
Tentei de tudo o que vocês possam imaginar: fui em diversos médicos, usei cremes, tomei remédios, tratamentos com laser, fiz até simpatias e nada.
Certo dia, li sobre a Terapia Floral e na hora pensei “mais uma dessas terapias”. Mas algo ficou em minha mente pois sempre ouvi que vitiligo é de fundo emocional. Resolvi procurar uma terapeuta floral e foi assim que encontrei a Dra. Andréa Goulart. E apesar de anos tentando uma cura para o meu caso, já bem desanimada e desacreditada, resolvi conhecer a terapia floral.
Já na primeira consulta, percebi algo diferente assim que a anamnese começou a ser feita.
A Dra. Andréa pergunta várias coisas sobre nossa vida, desde quando éramos crianças, adolescentes, adultos, sobre nossa personalidade, sobre nosso trabalho, amizades, família, amores, sonhos, sono, alimentação, tudo. E eu me perguntando naquele momento “mas o que tem tudo isso a ver com vitiligo?”.
Na própria consulta, ela começou a fazer as “ligações” e foi então que tudo começou a fazer sentido. A pele representa a proteção do nosso EU. Ela que delimita o nosso EU. E que quando algo acomete nossa pele, é porque nosso EU se sente ameaçado de alguma forma.
Foi então que percebi que para mim, a minha vida estava perdendo o colorido já há muito tempo (vitiligo é a perda da pigmentação da pele. Coincidência?).
Percebi que em minha volta sempre havia pessoas muito dominadoras. A começar por minha mãe: uma mulher muito autoritária, dominadora, inflexível, não admitia argumentos. Nunca eu fiz nada que eu quisesse e que não fosse aprovado por ela. Acabei me sentindo uma pessoa insegura, medrosa, sem coragem de ousar, de arriscar nada novo. E vivendo assim, acabei conhecendo meu marido que tinha a mesma forma de agir e pensar da minha mãe: casei-me com um homem extremamente rígido, que não aceita ouvir “não” de ninguém, meticuloso, autoritário (Coincidência novamente?).
A gente tem mania de pensar “Porque isso aconteceu comigo?”, mas descobri que a gente coloca na nossa vida situações que nos forcem uma mudança interior. É simples culpar o outro quando a verdadeira responsabilidade é toda nossa. Somos nós que determinamos (mesmo que inconscientemente) o rumo de nossas vidas. Tudo na vida tem um motivo, uma razão, mas quando estamos envolvidos emocionalmente, ficamos cegos.
Tenho vitiligo ao redor dos olhos (pelo que a Dra. Andréa disse, isso significa algo que eu não quis ver ou que não quero ver), nas mãos (que representam o contato com o outro) e nos joelhos (medo e orgulho).
É incrível isso! Nosso corpo fala de uma forma sutil e nós não percebemos.
Comecei a tomar floral para trabalhar o meu EU interior, para me fortalecer, cuidar de mim mesma, não ficar tão vulnerável às influências externas, a descobrir o que me faz feliz e fazer aquilo que me realiza. Não é fácil (nada da vida é) mas estou extremamente satisfeita.
O vitiligo não curou, mas estacionou e isso me deixa muito contente. Eu aprendi a olhar para mim, a me conhecer melhor, a me respeitar. Comecei a aprender até onde vai o limite do outro, por mais que eu o ame. Minha mãe e meu marido foram pessoas muito importantes para mim, me amaram do jeito que eles sabiam, não do jeito que eu queria. Mas agora vejo que tudo na vida há um limite. Descobri que amar não significa subordinar-se. Amar tem um sentido muito amplo e complexo.
Faço uso dos florais há cerca de 3 anos e ainda continuo com a terapia floral, sei que não é algo a curto prazo (que eu tenho vitiligo já são mais de 30 anos) mas só por me enxergar de forma diferente, de me compreender, de me autoconhecer e consequentemente fazer o vitiligo estacionar, já é algo surpreendente.
Estou mais tranquila, vivo em paz pois sei que há coisas na vida pela qual temos que passar para descobrir algo maior e melhor.
Realmente acredito que somos nós que desenvolvemos doenças e que somos nós mesmos que vamos nos curar. E nos curamos quando nos conhecemos e quando entendemos a razão de estarmos vivenciando esse ou aquele problema em nossas vidas.
Hoje, mesmo com 62 anos, estou me redescobrindo. E isso é maravilhoso!
Que outras pessoas se permitam dar a mesma oportunidade que eu me dei: de ir atrás, de conhecer a Terapia Floral que pelo menos para mim (e por relatos que já li), permitiu que coisas muito boas acontecessem.

Martha M. P. Almeida
São José dos Campos/SP
RG. 9.569.113-0

Um comentário:

Marist disse...

Adorei seu depoimento, li um artigo que a pessoa fez acupuntura, reduziu muito mas verificou que tinha que acrescentar vitaminas B1, B6 e A. Este é o site http://iracematerapiaholistica.blogspot.com.br/2014/02/curando-vitiligo-com-acupuntura-e-ervas.html