quinta-feira, 25 de março de 2010

Terapia Floral em pacientes com câncer

A Terapia Floral no Câncer - Por Rosangela Vecchi Bittar
Pesquisadora e Especialista em Terapia Floral pela UFPE
*Matéria escrita para o site www.floralterapia.com.br*


Na minha pesquisa com o título “A Terapia Floral no Cuidado a pacientes portadores de Câncer na Clínica de Oncologia” realizado no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco, registrada no CONEP sob o número CAAE 0280.0.172.000-08 e registrada no Comitê de Ética do Centro de Ciências da Saúde da UFPE n. 289/08, usei como amostra 57 pacientes de diversos tipos de câncer, conforme quadro abaixo:



Atualmente, na continuidade dos atendimentos chegamos até a data atual ao número de 120 pacientes acompanhados com terapia floral, fora os familiares destes que também buscaram na terapia floral auxílio para seu sofrimento, que representaram até agora 1300 atendimentos com esta prática complementar e integrativa.

Hoje, o diagnóstico de câncer atinge os indivíduos e famílias de forma contundente independente de nível sócio-econômico, cor, crença religiosa, nível cultural, sexo, etc. É um diagnóstico que afeta de forma inegável a parte emocional, mental e espiritual. Na verdade, concluo que é uma doença holística porque nos casos atendidos durante a pesquisa, e mesmo após esta, tenho verificado que em sua grande maioria antes do evento da doença câncer, muitos dos pacientes durante o processo terapêutico narraram episódios que caracterizaram grande abalo emocional.

Quando o médico comunica ao paciente diagnóstico, este sofre outro cataclisma pessoal, quando tem que se submeter a uma cirurgia (geralmente que não só retira o tumor, mas partes ou todo um órgão) significa um trauma no corpo e na alma destas pessoas. Os tratamentos necessários, sejam através de quimioterapia, radioterapia ou hormônios, são tratamentos desgastantes tanto fisicamente como emocionalmente,
E se o processo curativo não é bem sucedido, temos os cuidados paliativos onde a pessoa toma medicamentos relativos ao caso de cada um, mas que também têm efeitos colaterais.

Ninguém passa ileso durante tal processo. O sofrimento é grande, envolve sentimentos que chegam a em alguns casos a pensamentos suicídas. Alguns pacientes em seus relatos entram num processo de negação, não falam que tem câncer, retiram esta palavra do vocabulário, dizem estar curados sem se submeter ao tratamento. Vi casos, de paciente fugir literalmente ao tratamento e só retornar anos depois já com o tumor bastante evoluído. Ou se auto-sabotar faltando às consultas com a equipe médica. Tudo isto, também é uma forma de suicídio.

Saibam que quando o paciente perde a esperança, fatalmente sua vida se esvai rapidamente. O paciente deprimido segundo, Alexandre Lowen (famoso psiquiatra, criador da Bioenergética, discípulo de Reich) é uma pessoa sem fé. Pela sua falta de fé, entra na crise do “Para quê?”, “Para quê viver?”, “Minha vida não tem sentido”, “Vou dar um fim à minha vida!”, “Não vale a pena viver!”.

A depressão, o estresse, a angústia, ansiedade, medo, tristeza, raiva, impaciência, solidão, baixa auto-estima são os sentimentos que mais observamos na trajetória dessas pessoas ao longo do tratamento. A depressão, estresse e ansiedade estão presentes durante todo o processo, mesmo naqueles pacientes que verificamos curados após o tratamento, Fica a marca no emocional destes indivíduos.

A Terapia com Essências Florais que é uma ferramenta terapêutica fundamentada na Inglaterra no século passado pelo médico Edward Bach (1886 a 1936) especialista em bacteriologia, patologia, imunologia e saúde pública. As essências vibracionais das flores silvestres tratam o indivíduo de forma integral, aliviando o sofrimento através do tratamento das emoções, pensamentos e crenças negativas que habitam nosso ser e assim promovendo o equilíbrio, tranqüilidade e alegria de viver.

O propósito dos florais no câncer é dar apoio para que o paciente possa lutar contra a doença, harmonizando e provendo forças para superar os episódios depressivos, de ansiedade, os traumas vividos, o medo e outros fatores emocionais, que impedem o paciente de se sentir bem consigo mesmo, no ambiente em que vive e nas dificuldades que terá que passar durante sua luta pela sua própria vida.

Os florais auxiliam que os processos dolosos sejam minimizados, mesmo naqueles pacientes que dependem da morfina.

Os florais concedem qualidade de vida e, sabemos que, à medida que a pessoa se sente bem e tranqüila, sua imunidade se eleva.

Na minha experiência tenho tido inumeráveis casos bem sucedidos no uso das essências florais em pacientes oncológicos.

Todos, sem exceção, ao retornar para o segundo atendimento declaram-se mais tranqüilos, mais confiantes, dormindo melhor; com a continuação do tratamento, os benefícios se alargam. Aumenta a auto-estima, passam a fazer tarefas do cotidiano, relacionam-se melhor com os familiares, procuram sair, conviver. Auxiliam nos casos de desconforto advindo em conseqüência do tratamento quimioterápico. Os episódios de impaciência, irritação são mobilizados e transformados positivamente. Aqueles que choravam e se desesperavam o tempo todo, passam a sorrir. Os resultados são altamente gratificantes.

Dá-se lugar a emoções benéficas que abençoam o paciente com o bem-estar necessário para cumprir a tarefa de perseverar no tratamento convencional. Assim, a Terapia Floral soma esforços em direção a cura senão do corpo da alma daqueles que aceitam usufruir desta benção proporcionada pela natureza.

Nenhum comentário: