quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Terapia Floral e Homeopatia: quais as diferenças?


Ambas são terapias vitalistas/vibracionais, ou seja, visam o equilíbrio da energia vital e para isso utilizam a via natural de cura do ser que nada mais é que a própria força vital que tem capacidade de autocura.

O desequilíbrio da energia vital gera desequilibro na nossa mente, nas nossas emoções e psiquê, alterando nossos padrões comportamentais, nossas atitudes e aí começamos a nos desviar da nossa essência como seres, do nosso real propósito de vida e se nada for feito, quem nos dá o sinal vermelho que algo não vai bem é o corpo físico.

Não costumamos enxergar muito com os olhos da alma, e precisamos sentir no corpo para entender que temos que mudar, o que precisa ser equilibrado. Por isso a afirmação de que a doença é benéfica. Existem várias diferenças entre as duas terapêuticas, no nível de atuação, na forma de ação, na confecção e apresentação, e nas matérias primas.

1. A Terapia Floral trabalha o corpo físico? Sim trabalha, indiretamente, mas trabalha também. Contudo a homeopatia tem uma ação mais marcante no físico dependendo da abordagem, inclusive no tratamento de doenças agudas. Sim, a homeopatia trata doença aguda de forma tão ou mais rápida até que a alopatia, mas lógico que a abordagem é diferente do que em doença crônica. A homeopatia pode atuar em todos os níveis do ser: mental, físico, psíquico. Algumas medicações pequenas só atuam mesmo no físico, outras tem o mental mais bem marcado e outras atuam no ser como um todo.

2. O floral atua também energeticamente como a homeopatia mais em um nível mais sutil e de forma mais suave ainda (e olha que a homeopatia já é suave!). É como se ela atuasse "um pontinho" acima energeticamente.

3. A homeopatia usa como matéria prima materiais de origem vegetal, mineral, animal além dos nosódios, bioterápicos que são medicações feitas de secreções patológicas ou não, órgãos, tecidos vivos etc.

4. Na Terapia Floral, a flor mesmo não entra na solução. Ela fica um tempo ali, pegando sol, lua, mas ela não é triturada, macerada, entrando mesmo na tintura. Dela só vai a sua memória energética desde a confecção da tintura mãe. Na homeopatia, na tintura temos o material seja triturado, macerado, diluído. Temos além da energia a matéria prima ali, tanto é que algumas medicações homeopáticas não podem ser dadas abaixo de determinadas potências devido ao seu potencial tóxico por ainda conter matéria.

5. O medicamento homeopático passa após a confecção da tintura-mãe por um processo chamado de dinamização, onde são feitas diluições e sucussões (agitação vigorosa, num ângulo de 90 graus) sucessivas para atingir a potência desejada mas tem outros métodos também como o fluxo contínuo, que aqui no Brasil é pouco usado, chamado FC. Na Terapia Floral o calor é usado como catalisador do processo seja da luz solar ou da fervura, mas somente a energia da flor entra na tintura.

Nenhum comentário: